NOSSAS CARACTERÍSTICAS
EM CRISTO - Parte 1

Marcos 16: 14 a 20


INTRODUÇÃO

Esta palavra/estudo se propõe apresentar algumas das doutrinas que temos na CBI. Nossa proposta é demonstrar a você que adotamos uma linha diferente dos cessassionistas, que acreditam que algumas ações do Espírito Santo e determinados milagres cessaram e não são mais necessários no corpo de Cristo, daí são chamados cessassionistas. Antes de tudo saiba que por nossa característica doutrinária não adotamos a teologia da prosperidade, preconizada por alguns “neopentecostais”. Ao longo da explicação do texto básico, apresentado aqui, você verá que adotamos uma linha parecida aos “pentecostais”. Porém, é preciso que você saiba que adotamos a linha apostólica. Neste estudo de agora, não definiremos o termo apostólico, ainda. Esta é uma nota para que você saiba o que somos. Aqui também, agora, não será possível explicar todo o texto básico. Estamos introduzindo nossas explicações e adotando textos bíblicos que inserem no texto e contexto aquilo que acreditamos. Seguiremos, após o estudo nesse material, a parte seguinte explicando os versos 16 em diante de Marcos 16.

 

 

EXPLICANDO A PASSAGEM

Este texto que lemos para estudo de hoje faz parte de algumas discussões teológicas. Desde o versículo 9, esta passagem faz parte do que se chama variante textual. Em alguns manuscritos mais antigos, do evangelho de Marcos, ele não se encontra. Marcos é o primeiro evangelho escrito do NT, tendo sido escrito entre os anos 50 e 55 de nossa era cristã, portanto, cerca de 21 a 26 anos após a morte e ressurreição de Jesus. Marcos coletou informações da tradição oral, que eram relatos que pessoas faziam da experiência que tiveram com Jesus, além de usar como fonte um outro material já escrito que descrevia, entre outras coisas, situações vividas por Jesus.

Muita gente, na época da igreja primitiva, não tinha ainda ideia que estava escrevendo um texto sagrado, pois ainda não pensavam estar escrevendo pra toda a cristandade, senão para um grupo seleto. Isto posto porque grande parte da população daquela época não tinha acesso fácil a leitura. Grande parte da população era educada em casa e não era tão fácil ter material escrito a mão. Os textos, escritos em pergaminho e/ou papiros, não era de fácil edição.

Por ainda não terem ideia do quão sagrado era o texto a mão, alguns copistas (eram assim chamados os que reescreviam o texto), para mandar para outras pessoas, as vezes faziam acréscimos importantes ao texto que copiavam. Nesta passagem, em algum tempo, alguém que copiava o texto de Marcos, agregou essas informações e relatos do que lemos desde o verso 9, do capítulo 16 do evangelho de Marcos. O importante é que o copista agregou palavras de Jesus, que certamente corriam entre os crentes primitivos, relatados pelos apóstolos, que tinham sido discípulos de Jesus. Em virtude de o que Jesus disse, nesta passagem, ter-se cumprido, ela é muito importante para nós, nessa aplicação que faremos das palavras de Jesus. Aqui, encontramos boa parte daquilo que nós da CBI cremos e, também, a maioria dos cristãos.

 

 

NOSSA MISSÃO

Após destacar a maneira incrédula como os discípulos se portaram, Jesus lhes dá uma missão: Pregar aquela boa notícia a toda criatura. Jesus usa a expressão chamada:

è khrusswkerusso

Proclamar como faz um arauto. Publicar e/ou transmitir alto e bom som. Ser uma pessoa que possa subir em um lugar alto, a fim de que todos possam ouvir o que vai dizer.

 

A missão dada por Jesus não é simplesmente IR, mas entender que para onde quer que vá o discípulo de Jesus deve PROCLAMAR o evangelho. Nossa principal missão, segundo o texto de Marcos, é ser aquele que divulga de todas as maneiras possíveis o evangelho de Jesus Cristo. Nossa principal missão é o que está relatado em Mateus 28: 19-20 e aqui. Portanto, seja você o portador da mensagem de salvação e vá e PROCLAME o evangelho do Reino (Mateus 4: 23; 9: 35; 24: 14... etc).

A missão central do evangelho de Jesus é que façamos todo o possível a transmitir o evangelho a toda classe de pessoas. Jesus esclarece que não há um grupo específico a quem transmitir, senão a toda e qualquer criatura que possa ouvir e entender. Porque o que a pessoa que ouve precisa é responder positivamente à pregação, a fim de ser salvo. Mas o discípulo de Jesus precisa entender que em todo o tempo ele é um proclamador do evangelho. Sua vida cristã gira em torno disto.

Nos versículos adiante encontramos parte do conteúdo do evangelho do Reino. Jesus descreve a seguir como uma pessoa se torna seu discípulo e algumas características que seguem os proclamadores do evangelho. Vamos seguindo este texto e explicando nossa fé basilar, como parte de nossas doutrinas da CBI.

 

 

BATISMO COOPERA, MAS NÃO SALVA POR SI SÓ

“Quem crer e for batizado será salvo. Quem NÃO CRER será condenado.”

 

Aqui se encontra algumas coisas importantes de nossa fé.

O fato de crer deve ser acompanhado da obediência. Essa fé em Jesus requer que nos disponibilizemos a obedecer ao primeiro desafio de nossa fé em Jesus: ser batizado por alguém que o fará em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Antes de explicar o batismo preciso lhe esclarecer o que está ocorrendo na mente dos discípulos, sobre o que Jesus está explicando sobre crer.

Se você acompanha o texto, no verso 14 Jesus censurou, lançou em rosto, reprovou a incredulidade dos discípulos. O que tinha acontecido? Jesus, enquanto esteve com eles anunciou sua morte e ressurreição e demonstrou isto com sinais e prodígios. Mostrou a eles o poder do Espírito Santo com demonstrações claras de manifestação daquele poder. Mesmo assim, não olharam para mais adiante à morte de Jesus. Ficaram paralisados e perderam o foco. Desagregaram-se e seguiram com suas vidas sem sentido, pois achavam que tudo tinha se acabado. É quando Jesus ressuscita e, por causa disto, eles se reúnem. Jesus aparece e lhes explica como falharam, não mantendo suas vidas em dedicação àquilo que ele pregou, aguardando sua ressurreição. Era fácil para eles acreditarem em algo que viam, mas vendo Jesus morrer, precisavam esperar os três dias, já profetizado por Jesus, para que vissem o cumprimento da promessa de Jesus voltar a vida. Eles duvidaram! Falharam em duvidar porque não esperaram 3 DIAS!!! – Em outras palavras, Jesus está lhes dizendo: “se vocês perdem a fé, por não esperarem três dias, baseados na minha promessa, e voltam fazer tudo que faziam antes de me conhecer, como esperarão por mais tempo se minha volta se retardar?”. Entende o que havia na mente deles quando Jesus, então, está lhes falando em crer?

Não é um acreditar, é ter fé suficiente a fim de manter-se fiel aguardando que as promessas de Deus se cumprirão, porque são proféticas.

Entretanto, é preciso entender que o batismo, exclusivamente ele, não salva. Uma pessoa é salva pela fé em Jesus – Efésios 2: 8-9. De modo que o que condena uma pessoa, segundo Jesus, é o ato de negar a fé e/ou não crer. Jesus diz: quem não crer, será condenado”. Esse NÃO CRER é o ato de trair a confiança, ser desleal, ser infiel, não ter fé, ser incrédulo. Antes de tudo, lembre também, Jesus não está falando de perda de salvação, ele está falando de não recebe-la!

 

 

O BATISMO – SIMBOLO DE UMA NOVA VIDA

Ao falar sobre crer e ser BATIZADO, Jesus estabelece um padrão de atitudes na vida do crente. O que significa ser batizado:

è baptizw – baptizo – Batizar, para o português.

Esta palavra quer dizer: mergulhar, imergir, submergir (referindo a embarcações afundadas); limpar mergulhando; lavar, tornar limpo com água submergindo, lavar-se, tomar banho por mergulhos.

Este desafio de Jesus é mais bem comparado com o que Paulo descreve na carta aos Romanos 6: 1-4, e veja o verso 3:

3 Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte?

Paulo esclarece que o batismo (mergulho, submersão) tem referência simbólica e relacional: a morte de Jesus. Ele está dizendo que fomos mergulhados para sermos lavados na fé em Jesus na semelhança da morte dele. Em seguida o versos  esclarece:

5- De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.

 

Então, o batismo cristão identifica-nos com a morte, sepultamento e ressurreição de Jesus. O batismo cristão, que adotamos, é por IMERSÃO. Não podemos fazer diferente disto!

Ora, se o batismo representa um sepultamento, por que fazer com um punhado de água na cabeça? Não sepultamos, de modo nenhum, um morto com um punhado de terra na cabeça e deixamos o corpo do lado de fora dizendo: está sepultado! Não! Não é assim! O batismo bíblico, repito, representa morte, sepultamento e ressurreição do crente com Jesus.

è Morrer para o pecado e o mundo carnal

è Ser sepultado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo

è Ressurgir, ressuscitar pelo Espírito Santo, para a glória do Pai.

Nossa atitude no batismo visa imitarmos Jesus, sermos tocados pelo Espírito Santo e glorificarmos ao Pai. A morte de Jesus foi uma aceitação dele como homem em obedecer ao Pai, matando seu “corpo de pecado” e colocando-se na mão do Espírito Santo. Daí em diante toda obra em nossa vida é feita de maneira sobrenatural, por intervenção do Espírito Santo.

Nossa fé é que o batismo bíblico é por imersão! Não há outro! Não há identificação com Cristo, quando alguém é batizado por aspersão. Como batismo é um só (Efésios 4: 5), consideramos que a fé em Jesus inevitavelmente leva o novo convertido a receber o batismo por IMERSÃO. Quando não se considera isto importante, adota-se já a premissa de quebrar os princípios de obediência a Cristo. Considero que seria importante estudar sobre essa palavra grega “baptizw à baptizo”

 

 

UMA NOVA VIDA EM CRISTO

O Batismo representa um testemunho de uma nova vida em Cristo. Nós da CBI acreditamos firmemente que ao receber Jesus como Senhor e Salvador uma pessoa se torna uma nova criatura. Contudo, entendemos que Jesus morreu na cruz por todos, é o Salvador de todos, mas só pode salvar realmente os que o confessam como Senhor de suas vidas.

 

è Jesus Cristo é o Senhor

Romanos 10:9 nos ensina a confessar Jesus como Senhor. A expressão usada por Jesus e por Paulo é de que Jesus precisa ser kyrios – senhor absoluto de suas vidas. Mas se Jesus é um homem, como ele pode ser Senhor? Entenda que confessamos que Jesus homem morreu pelos nossos pecados, mas BATIZADOS pela fé em Jesus, somos colocados semelhantes a ele na sua ressurreição. Ele ressuscitou pela glória do Pai e retornou aquela glória que ele tinha com o Pai, antes de o mundo existir. Então, quando nos batizamos, declaramos que daí pra diante, somos uma nova criatura, gerados pelo mesmo Espírito Santo que ressuscitou a Jesus. Então, confessamos como nosso Senhor não um homem, mas o Filho de Deus ressurreto e assentado na glória do Pai. É por esse Jesus Cristo que são todas as coisas!

 

è O Senhorio através do Espírito Santo

Para que Jesus seja meu Senhor preciso que tais palavras se cumpram em mim: Filipenses 2: 5-11 e Gálatas 2: 20. Não conseguirei fazer isto se o Espírito Santo não me guiar como guiou Jesus. Ele foi o exemplo de como uma pessoa pode e deve ser guiada pelo Espírito de Deus.

            O EXEMPLO

Antes de conhecer Jesus, o Espírito de Deus me seguia a fim de me convencer do meu pecado. Quando parei pra ouvir a voz do Espírito e aceitei o fato de ser pecador, não sabia o que fazer. O Espírito Santo então me indicou que eu estava sob juízo de Deus e precisava ser justificado. Eu não sabia como fazer isto. Foi o Espírito Santo quem me mostrou que só Jesus morreu pelos meus pecados e que só Ele podia me salvar. Pra isto o Espírito me apresentou Jesus e conheci seu amor, sua misericórdia. Conheci que ele é o Filho de Deus, dado por mim, pra me levar a presença do Pai. Eu não tinha como me salvar porque o pecado me matou, me afastando de Deus. Entendi que nada que eu fizesse de bom seria suficiente, porque “todos pecaram, e destituídos estão da glória de Deus”. Também compreendi que “o salário do pecado é a morte, mas que o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor”. Daí, foi um pulo entender o que está em 1 João 1: 7-9.

 

è Adão, Jesus e Nós

 Quando o primeiro Adão pecou, ele,  sua mulher e também a serpente, que é satanás, foram amaldiçoados.

Ao homem foi dito à “tu és pó e ao pó tornarás...”

À serpente, que é satanás, foi dito à “te rastejarás e do pó da terra comerás...”

 

As obras da carne do ser humano (Gálatas 5: 19-21) são, por associação e simbolismo, o pó da terra. Por causa das obras da carne, resultado de nossa desobediência, morremos em nossos pecados e delitos. Essas obras da carne precisam ser desfeitas pelo controle do Espírito Santo, por isto “andai em Espírito e nãos satisfareis as obras da carne”. Esse controle gera o Fruto do Espírito que é Cristo em Nós, que tem 9 características, explicadas em Gálatas 5: 22.

Quando cometemos obras da carne, que são muitas, alimentamos a serpente, que é satanás. Estas obras da carne, repito, são o pó da terra que é alimento da serpente. Compreende isto???

Quando agimos como o fruto do Espírito, alimentamos Cristo. Por isto que somos guiados pelo Espírito Santo, tal qual Jesus era. Por isto que para morrer para o mundo e viver para Deus não conseguimos por nós mesmos, somente elo Espírito Santo.

Quando confessamos Jesus como Senhor, isto quer dizer que daí pra frente o Espírito Santo nos guiará em tudo, tal qual guiou Jesus. Daí pra frente vamos fazer a vontade boa, agradável e perfeita de Deus Pai. O que estiver exposto na Palavra de Deus o Espírito testificará em nós. Ele nos guiará sob a luz da Palavra de Deus (Salmo 119: 105). Aquilo que não estiver na Palavra, somente pelo Espírito Santo poderei ser guiado. Se estivermos treinados, acostumados e disciplinados pela Palavra de Deus, sob essa ótica o Espírito nos guiará, pois ele não nos levará nunca a contrariar a Palavra de Deus! NUNCA!

Adão resolveu desobedecer a Deus, comendo do fruto e fazendo sua própria vontade, por isso se tornou o pecador condenado a morte. Todos que nascem a semelhança de Adão sofrem isto.

Jesus foi o segundo Adão e resolveu não desobedecer. Inocente, morreu pelos meus e seus pecados, para que eu rejeite minhas vontades pra fazer como Jesus. Morrer para o pecado e nascer de novo pelo Espírito Santo.

 

 

CONCLUSÃO

Nas próximas palavras vamos dar sequencias aos sinais que se seguiram aos crentes, conforme Marcos 16: 14 a 20. Por agora, nos detivemos nos versos 14 a 16.

Aqui você entendeu um pouco sobre o que cremos quanto a fé em Jesus, obediência, batismo nas águas e nosso compromisso em não deixar a carne nos guiar. Seguiremos relacionando as coisas dessa maneira, fazendo aplicações ao nosso dia a dia.

Nenhum comentário: