MINISTÉRIO PROFÉTICO HOJE

Efésios 4:11; Provérbios 29:18


Introdução
- Vimos, em outro estudo, algumas informações sobre o ministério profético. Seguiremos aqui destacando sua função e aplicando mais especificamente na igreja de hoje.
- Nos detivemos na idéia de que profetas fazem parte do governo da igreja e cooperam na liderança da mesma. Aqui, hoje, vamos reforçar algumas destas idéias e apresentar uma posição melhor do profeta, juntamente com o exercício do apóstolo, na igreja de hoje.
- O centro da pregação de uma igreja apostólica é o Reino de Deus. Numa estrutura de Reino, o profeta é um grande ajudador, pois ele coopera com o ensino, a fundamentação e a apresentação da revelação de Deus. Negar a ação profética hoje é seguir o texto que diz que onde não há profecia o povo se corrompe.
- Porém nosso estudo visa estabelecer também alguns limites para o que é e o que não é profético. Deus te encaminhe na direção certa de sua Palavra!


1) Modelos do Novo Testamento
Repetindo o que foi apresentado no estudo passado, a Palavra profeta, do grego, no NT, vem de: profhthv – profetês
è  junção de pro = em favor + fhthv de femi= declarar, dizer

a)  Segundo a definição principal é que a idéia essencial da palavra é a de porta-voz autorizado e/ou oficial. A tendência tem sido afastar-se da idéia ativa de falar em êxtase como o sentido essencial de profetizar. Teólogos argumentam que a palavra não pode ser empregada como argumento em favor da natureza extática do ministério dos profetas.
b)  A palavra profeta (profetisa ou profetas), na Bíblia, na versão Revista e Corrigida aparece 158 vezes, seguindo o modelo da palavra grega referida. Dignas de destaque são as palavras atribuídas à pessoa de Jesus e as referidas pelo apóstolo Paulo, sobre este ministério na igreja.
c)  Nos evangelhos, Jesus é reconhecido como profeta porque revela os segredos de cada pessoa, descobrindo-lhes o coração. Este modelo de profeta na vida de Jesus, nunca foi negado por ele.
d)  Jesus é reconhecido como profeta, porque a profecia de Moisés em Deuteronômio 18: 15-18 narra sobre isto e ela é interpretada como fazendo referência a Jesus, tanto por Pedro como por Estevão – Atos 3: 19-24 e 7: 37.
e)  Jesus pode compartilhar o ministério de profeta, porque ele era profeta também. Os 5 ofícios de Cristo nos ensinam que ele era apóstolo, enviado diretamente do Pai, para estabelecer o Reino; ele era evangelista, pois foi ele o precursor da mensagem do evangelho, das boas novas de salvação; ele era Mestre e Pastor porque assim se designou – João 13:13 e João 10: 11,13 e mais Hebreus 13:20.
f)    Pedro até classifica Jesus de pastor e bispo – 1 Pedro 2: 25


2) Em Segundo Lugar Profetas

a)  Como já vimos anteriormente, as igrejas do NT tinham profetas. A igreja de Corinto deve ser acrescentada a esta informação, especialmente por causa dos problemas que alguns profetas causaram e Paulo teve de orientar como exercer este ofício. Isto é muito importante porque com isto aprendemos sobre a função do profeta na igreja.

b)  Em I Coríntios 12: 27-29, a igreja está sendo orientada de como deve se comportar, em especial por causa das manifestações de culto. Parece que em Corinto, os profetas exerciam uma atividade especial nos cultos e isto estava gerando uma confusão “dos diabos”. Graças a estes problemas nós hoje recebemos orientação.

c)  Quando lemos a passagem bíblica de Paulo que nos diz que “...E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas...” isto é bastante significativo. O que Paulo quer dizer com isto? Por que ele está dizendo que alguns foram colocados “primeiramente” e outros “em segundo”?

d)  Posso entender, sem nenhum problema, algumas coisas importantes do texto que citamos acima. Quero lhe compartilhar meu entendimento e para isto, vejamos:
ð Pessoas da igreja de Corinto estavam com algum problema de auto-estima e se consideravam inferiorizadas e/ou eram tratadas assim;
ð Paulo orienta que no corpo não existe ninguém nem mais, nem menos importantes, porque o que faz a diferença é a utilidade e o propósito. Entretanto ele esclarece que cada um deve entender seu papel no Corpo de Cristo e crer que Deus é que colocou cada um no seu lugar;
ð Percebemos que o ensinamento é que devemos parar de cobiçar a função de alguém, crendo que Deus sabe o que faz. Porém, Paulo esclarece que todos somos membros do corpo de Cristo e prossegue ensinando sobre as funções ministeriais e os dons na igreja. Então ele nos diz que Deus colocou apóstolos primeiro, segundo profetas, terceiro mestres...
ð Esta é a ordem em que aparece os 5 ministérios na igreja e Deus os vai colocando conforme a necessidade do corpo de Cristo e não segundo a importância.

e)  Ser profeta na igreja de Cristo é uma necessidade e foi suprida esta necessidade em segundo lugar porque os profetas são extremamente úteis para junto com os apóstolos dar fundamento a igreja. É por isto que Paulo afirma o que está em Efésios 2:20.

f)    No texto de 1Co 12, que nos referimos, temos aí dons ministeriais, dons carismáticos e dons espirituais. Como temos aprendido, os dons ministeriais são os dons de Cristo e são seus ofícios, ofícios da cabeça, que é Cristo. Logo estes ofícios, relacionando-se com o corpo e também com o corpo de Cristo, fazem parte da cabeça e são responsáveis pela gerência do Corpo. Primeiro veio o apóstolo e depois o profeta. Este é o lugar do profeta... na cabeça.


3) Os Profetas São Conselheiros
a)  Provérbios 29:18 nos diz: “Não havendo profecia, o povo se corrompe; mas o que guarda a lei, esse é feliz”. Provérbios 11: 14; 15:22; 24:6 descrevem coisas do tipo: “Onde não há conselho, frustram-se os projetos; mas com a multidão de conselheiros se estabelecem”.

b)  Como vemos com os reis Saul, David e Salomão, os profetas tinham função importante na cooperação do governo. Porém a função do Rei era de autoridade máxima e o profeta corria o risco de morrer caso extrapolasse de sua missão diante do rei, sob a acusação de insubordinação. Assim vemos com Elias. Na dispensação de hoje, não temos um rei na terra governando a igreja, não no sentido literal. Temos sim, Jesus, o Rei dos reis estabelecendo seu reino e contando com a postura da igreja para tal. Esta é a posição de um apóstolo.

c)  O profeta é aquele que na igreja compartilha o “recado de Deus”. O profeta tem a kerygma, uma mensagem a proclamar. Esta mensagem não está em desacordo com a Palavra de Deus. Pelo contrário, a kerygma a estabelece como doutrina e fundamento a ser seguido. Em muitos casos o apóstolo é também profeta, ou o profeta também é um mestre. Mui especialmente os profetas podem ser também mestres, porque tem como base a revelação bíblica a transmitir. Esta é sua kerygma!

d)  Conforme lemos em Atos 15: 27-32, Judas e Silas também eram profetas. Quando a igreja em Jerusalém resolveu o assunto que discutiram, sobre como seria o viver dos gentios entre eles e como se relacionar com eles, vários líderes, apóstolos, mestres e profetas se manifestaram. Após a decisão a igreja resolveu enviar os dois para consolar as igrejas dos gentios. É bastante esclarecedora a expressão: “também eram profetas”. Por quê? Porque além de profeta o indivíduo também pode ser mestre: Atos 13: 1-2

e)  Os dois referidos acima, ensinaram e consolaram as igrejas. Cumpriram uma função de profetas (consolar) e mestre (ensinar);

f)    Além de profeta o indivíduo também podia ser Apóstolo: Judas, era apóstolo; Paulo e Barnabé também eram apóstolos. Isto não quer dizer que cada um tem de ser cada coisa, mas Deus pode dar ao mesmo homem mais de um ofício ou ministério.

g)  Esta é a liderança da Igreja apostólica: primeiro apóstolo, segundo profetas, terceiro mestres...

h)  Estamos com isto chegando a entender onde e como atuam os presbíteros que é o próximo assunto a tratar. Vamos estudar sobre a função ministerial do presbítero e quando um pastor, ou um apóstolo também exerce o papel de presbítero.

i)    Vamos ver isto, antes de nos debruçarmos sobre a função do mestre



Conclusão
            No próximo estudo vamos observar como os presbíteros auxiliavam nas funções de liderança da igreja e em como é distinta a função do ministério. Vamos destacar esta diferença, fundamental para entendermos o papel de cada um no corpo de Cristo.